Monte Cascas Fernão Pires

POA

Há alguns anos, no meio da cidade de Almeirim, um construtor descobriu uma vinha de Fernão Pires com mais de 100 anos e raízes com sete metros de profundidade. Como não atrapalhava a sua obra, deixou-a intacta. A história chegou aos ouvidos dos enólogos Monte Cascas, que se lembraram de Cincinato Costa: 3m 1900, o primeiro agrónomo português tinha dito que aquela zona era a melhor do país para cultivar Fernão Pires, por estar na transição entre dois terrenos que a casta precisa, argila e areia. A aventura desta garrafa começa nesta história e acaba com este vinho excepcional, produzido no meio de prédio e estradas, mas fruto de vinhas soberbas com mais de um século de vida.

Há alguns anos, no meio da cidade de Almeirim, um construtor descobriu uma vinha de Fernão Pires com mais de 100 anos e raízes com sete metros de profundidade. Como não atrapalhava a sua obra, deixou-a intacta. A história chegou aos ouvidos dos enólogos Monte Cascas, que se lembraram de Cincinato Costa: 3m 1900, o primeiro agrónomo português tinha dito que aquela zona era a melhor do país para cultivar Fernão Pires, por estar na transição entre dois terrenos que a casta precisa, argila e areia. A aventura desta garrafa começa nesta história e acaba com este vinho excepcional, produzido no meio de prédio e estradas, mas fruto de vinhas soberbas com mais de um século de vida.

Castas

Fernão Pires.

Palato

Encorpado de textura cremosa e sabores a citrinos e alperce num final persistente.

Aroma

Casca de laranja, flores brancas e notas de alperce e toranja.

Notas de prova

De cor limão, aroma a casca de laranja, flores brancas e notas de alperce e toranja. Na boca o vinho é encorpado de textura cremosa e sabores a citrinos e alperce num final persistente.

Sugestões

Por si só, cozinha asiática picante, amêijoas à bolhão pato e lagosta.

Informação adicional

Tipo de Vinho

Pais de Origem

Produtor

Denominação de Origem

Capacidade

Teor Alcoólico (º)

Temperatura Recomendada

Varietal

Perfil